Ciências da saúde

Dieta à base de plantas e diabetes gestacional

Uma revisão de estudos científicos demonstrou que uma dieta à base de plantas pode atuar na prevenção do diabetes gestacional. Esta condição é definida como um estado de intolerância à glicose que ocorre durante a gravidez. A revisão foi publicada na última edição da revista científica suíça “Antioxidants”. Segundo o texto, 5 a 7% das gestações são complicadas por diabetes. Quase 80% desses casos são de diabetes gestacional.

O diabetes gestacional pode causar parto prematuro e elevar a taxa de cesárea, informa a revisão. Além disso, o feto apresentar malformação, ganho excessivo de peso, síndrome do desconforto respiratório neonatal e morte intrauterina. Acredita-se que marcadores inflamatórios, isto é, proteínas que participam dos processos de inflamação, estão entre as causas do diabetes gestacional. Uma alta ingestão de vegetais, fibras e frutas parece diminuir a inflamação e aumentar os compostos antioxidantes. Estes últimos são substâncias que protegem o organismo dos efeitos dos radicais livres. Tais mecanismos podem trazer benefícios à saúde materna e neonatal.

Uma dieta à base de plantas não necessariamente é vegana

O texto esclarece que o termo “à base de plantas” tem uma definição ampla. Este pode incluir tanto uma quantidade limitada de alimentos derivados de animais quanto exclusivamente alimentos vegetais. Apesar disso, os autores fazem referências à alimentação vegana. Afirmam, por exemplo, que as evidências científicas disponíveis dão apoio a uma dieta vegana bem planejada como opção segura durante a gravidez e a lactação. No entanto, pelo risco de deficiências nutricionais, como, por exemplo, a carência de vitamina B12, o texto recomenda monitoramento. Isso seria importante para atingir uma ingestão equilibrada de todos os nutrientes essenciais.

Dieta vegana pode evitar o ganho de peso na gestação. Créditos: PIXABAY.

A revisão acrescenta ainda que uma alta ingestão de açúcar, a obesidade e o aumento do ganho de peso durante a gravidez podem ser responsáveis ​​por uma via inflamatória que favorece o desenvolvimento da doença. Nesse contexto, os autores citaram um estudo sobre dieta vegana que envolveu quase 1500 mulheres. Tal pesquisa evidenciou que uma dieta vegana pode atuar como um fator protetor do ganho de peso materno. Contudo, nesse estudo, foi observada nos recém-nascidos uma maior ocorrência de baixo peso ao nascer.

Por outro lado, os efeitos desse tipo de dieta no peso dos recém-nascidos não está estabelecido. Na revisão, os autores mencionaram um estudo publicado em 2017, com quase 4 mil mães canadenses de duas etnias diferentes, caucasiana e asiática, cuja dieta era baseada em vegetais. A pesquisa obteve resultados conflitantes. Enquanto, os recém-nascidos das mães caucasianas apresentaram baixo peso, os das mães asiáticas apresentaram peso maior que o normal.

Uma questão de adequação nutricional

Nota-se que os resultados animadores sobre os benefícios da alimentação vegana, que vêm sendo apontados nas pesquisas, surgem geralmente acompanhados de alertas e ressalvas sobre a necessidade de atenção quanto à ingestão dos nutrientes essenciais. Essa preocupação é compreensível, uma vez que a adequação da alimentação vegana às necessidades nutricionais humanas ainda é pouco conhecida. Por outro lado, não se deve esquecer que as outras dietas, como a vegetariana e a onívora, também requerem essa observância. Nessas dietas, problemas de natureza nutricional também são comuns e recorrentes. A diferença é que elas são mais populares, conhecidas e exploradas do que a alimentação vegana.

De qualquer maneira, por enquanto, duas observações parecem se destacar nas pesquisas científicas em geral sobre a dieta vegana. Em primeiro lugar, os benefícios são evidentes. Em segundo, os resultados indesejáveis são evitáveis. Isso porque, aparentemente, estes dizem respeito à necessidade de adequações nutricionais que não excedem o veganismo, isto é, se resolvem com ajustes dentro da própria alimentação vegana.

A revisão comentada nesta matéria está disponível para leitura em https://www.mdpi.com/2076-3921/10/4/557/htm


Referências bibliográficas:

  • Schiattarella A et al. The Impact of a Plant-Based Diet on Gestational Diabetes: A Review. Antioxidants 2021;10(4):557.

Vídeo sobre a matéria no YouTube

Comentários