Benefícios da dieta vegana desperta o interesse de cientistas
Ciências da saúde

Dieta vegana desperta interesse de cientistas

Pesquisadores da Universidade de Cambridge, Reino Unido, apontaram a necessidade de realização de maior número de pesquisas sobre os efeitos da alimentação vegana no sistema cardiovascular, incluindo grupos de indivíduos étnico-geograficamente diversos. Essa necessidade foi sinalizada com base em uma revisão de estudos científicos sobre o tema, publicados até outubro de 2020. Na revisão, os pesquisadores observaram que há poucos estudos consistentes e de boa qualidade sobre o tema. A sinalização ocorre porque o rol de benefícios da dieta vegana desperta o interesse de cientistas.

Tais benefícios têm sido demonstrados em vários estudos. Alguns desses benefícios são elencados no texto do artigo sobre a pesquisa. Um deles é a melhora em parâmetros como índice de massa corporal, isto é, relação entre peso e altura. Outros envolvem a redução das taxas de colesterol total e de glicose, da inflamação e da pressão arterial. “Esses efeitos positivos para a saúde cardiovascular podem resultar de menor ingestão de colesterol dietético, gordura saturada e carne vermelha e processada, bem como maior ingestão de fibra, proteína vegetal e fitonutrientes”, diz o texto. “Essas observações sugerem que a dieta vegana pode ter potencial terapêutico na prevenção ou tratamento de doenças cardiovasculares”.

A alimentação vegana, assim como qualquer outra, requer equilíbrio nutricional

Dieta vegana desperta interesse de cientistas
Alimentação vegana pode ser benéfica tanto para o meio ambiente quanto para a saúde pública, segundo pesquisadores. Créditos: PIXABAY.

Os autores comentam que, por outro lado, os níveis de alguns nutrientes são mais baixos em veganos do que em não veganos. Tal carência pode prejudicar a saúde cardiovascular. Esses nutrientes são selênio, zinco, iodo, vitamina B12 e ainda os ácidos graxos ômega 3 encontrados em peixes, ácido eicosapentaenóico (EPA) e ácido docosahexaenóico (DHA). Todavia, sabe-se que estes ácidos graxos ômega 3 são encontrados originalmente em algas – que são as fontes de ômega 3 dos peixes. Sendo assim, tanto os ácidos graxos quanto os demais nutrientes estão disponíveis por meio de suplementação ou adequação da alimentação. Estes recursos solucionam, portanto, o problema da carência nutricional.

Os benefícios do veganismo vão além da saúde

Outro motivo que, para os autores, torna as pesquisas nessa área necessárias é o aumento da popularidade do veganismo. Para eles, esta não se dá apenas pelos benefícios percebidos na saúde, mas também em função das preocupações com o meio ambiente e bem-estar animal. No artigo, eles mencionam a Food and Agriculture Organization (FAO), agência das Nações Unidas que lidera os esforços internacionais para combater a fome. Explicam que a agência defende que “a adoção de dietas sustentáveis ​​é essencial para enfrentar a degradação dos recursos ambientais e as mudanças climáticas”. Os pesquisadores argumentam que a pecuária global é responsável por 18% das emissões de gases de efeito estufa, e que as dietas à base de plantas reduzem essas emissões.

Por fim, acrescentam que, “durante a pandemia do coronavírus, dietas à base de plantas foram propostas como um meio potencial para prevenir e mitigar a transmissão futura de vírus entre diferentes espécies e humanos”.

O artigo publicado na revista científica americana “The Journal of Nutrition” está disponível na íntegra em https://academic.oup.com/jn/advance-article/doi/10.1093/jn/nxab037/6218067


Referências bibliográficas:


Comentários